JustiçaMundoTodos

A juíza Amy Coney Barrett presta juramento na Casa Branca e já é ministra da Suprema Corte americana

A juíza Amy Coney Barrett, prestou juramento à mais alta corte do país menos de duas horas depois de ser confirmada pelo Senado americano, na noite desta segunda-feira,em uma cerimônia na Casa Branca. Amy Coney Barrett, que foi confirmada pelo Senado americano por 52 votos a 48, foi empossada pelo juiz Clarence Thomas por volta das 21 horas, no gramado sul da Casa Branca. “Este é um dia importante para a América, para a Constituição dos Estados Unidos e para o Estado de direito justo e imparcial”, disse o presidente Donald Trump em comentários antes dela tomar posse. “Como presidente, não tenho obrigação mais solene e nenhuma honra maior do que nomear juízes para a Suprema Corte”, acrescentou.

Donald Trump destacou a experiência de Amy Coney Barrett, dizendo que ela tem um “intelecto elevado” e que se tornará a quinta mulher a servir na mais alta corte do país. “Ela é uma das acadêmicas jurídicas mais brilhantes de nossa nação”, disse Trump. Ele também agradeceu a liderança do Senado, incluindo o líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell, que levou sua confirmação a uma votação antes da eleição presidencial de novembro.

Todos os republicanos do Senado, exceto Susan Collins, do Maine, votaram para confirmar Amy Coney Barrett, que foi escolhida pelo presidente Trump para preencher a vaga deixada após a morte da juíza Ruth Bader Ginsburg em setembro. Sua confirmação irá inclinar a balança do tribunal para uma maioria conservadora de 6 a 3. Sua nomeação gerou uma tempestade de críticas por legisladores democratas, que acusaram os republicanos de padrão duplo após bloquearem uma escolha do presidente Obama em 2016 porque era um ano de eleições.

O líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, disse em um discurso apaixonado antes da confirmação de Amy Coney Barrett que os republicanos do Senado eram culpados de “roubo partidário de duas cadeiras” e “padrão duplo hipócrita”. O senador Chris Coons (Democrata do Delaware.) acrescentou que a nomeação de Amy Coney Barrett daria início a um capítulo sem precedentes de conservadorismo no tribunal superior. “Simplificando, a juiza Barrett, estou convencido, vai abrir um novo capítulo do ativismo judicial conservador diferente de tudo o que vimos”, disse Coons.

McConnell, que impediu que a Suprema Corte do presidente Obama escolhesse Merrick Garland para um voto de confirmação, disse que o processo de confirmação de Amy Coney Barrett era constitucional. “O processo está totalmente de acordo com a Constituição. Não temos dúvidas de que, se o sapato estivesse do outro lado, eles estariam confirmando”, disse ele. (New York Post)

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here