BrasilNegóciosSaúde e MedicinaTodos

Ambev, do bilionário brasileiro Jorge Paulo Lemann, quer fazer bebidas com maconha

A Ambev (ABEV3), maior cervejaria das Américas e dona de marcas como Skol, Brahma e Antárctica, prepara-se para disputar um novo e promissor mercado. Trata-se das bebidas à base de cannabidiol, uma das substâncias extraídas da cannabis – a popular maconha.

Segundo o banco suíço Credit Suisse, o lançamento dos produtos deve ocorrer até o fim do ano. Em relatório assinado pelos analistas Antonio Gonzalez, Kaumil Gajrawala e Marcella Recchia, o Credit Suisse lembra que a Ambev entrou nesse mercado há um ano, quando sua subsidiária no Canadá, a Labatt Brewing, criou uma joint-venture de US$ 100 milhões com a Tilray.

Batizada de Fluent Beverage, a parceria produzirá bebidas não alcoólicas com infusão de cannabidiol. Os produtos aguardam a aprovação das autoridades canadenses. A Fluent será estratégica para a Ambev por três motivos, segundo os analistas. Primeiro, porque o Canadá já representa uma fatia importante dos seus negócios. O Credit Suisse estima que, nos últimos 12 meses, 13% das receitas líquidas consolidadas e 10% do ebitda da Ambev vieram do Canadá. Segundo, porque as bebidas à base de cannabidiol são um mercado que pode crescer muito, e bem rápido.

A consultoria Euromonitor, citada pelos analistas do banco, estima que a taxa de crescimento desse negócio apenas nos Estados Unidos, entre 2018 e 2025, será de impressionantes 53% ao ano. Com isso, o mercado norte-americano passaria de parcos US$ 86 milhões para US$ 1,7 bilhão em apenas sete anos. O ritmo só tende a acelerar, de acordo com o Credit Suisse, pois uma série de fatores devem se alinhar. Entre eles, estão a maior divulgação dessas bebidas, a facilidade de consumir um derivado de cannabis em doses bem definidas, à disposição em pontos de venda por todo o país, e a visão positiva dos consumidores de que as bebidas são um modo seguro de ingerir cannabidiol.

Com base na Euromonitor, o Credit Suisse observa ainda que as bebidas à base de cannabidiol serão um produto “disruptivo” num mercado – o de bebidas alcóolicas e não alcóolicas – que movimentou globalmente US$ 1,3 trilhão no ano passado. Entre os produtos que podem incorporar essa substância, estão chás, cafés, água, sucos e bebidas para praticantes de esportes e outras atividades físicas. O cannabidiol também pode ser diluído em cervejas, vinhos e coquetéis.

A Ambev não está sozinha nessa empreitada. Concorrentes de peso já exploram esse mercado há tempos. A Heineken, por exemplo, adquiriu em 2015 a Lagunitas, especializada nesse segmento. A Molson & Coors chegou em agosto de 2018, por meio de uma parceria com a canadense Hexo. “Outras companhias, como a Diageo, The Coca-Cola Company, Pernod Ricard, Second Cup Coffe Co., entre outras, estão declaradamente ‘em negociações’ ou já explorando alternativas no mercado de infusões de cannabidiol”, afirma o Credit Suisse.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here