BrasilPolíticaTodos

Conselho do Ministério Público abre processo contra presidente do MP Pró-Sociedade

O Conselho Nacional do Ministério Público abriu processo disciplinar contra o procurador Márcio Luís Chila Freyesleben, da Procuradoria de Minas Gerais, presidente do MP Pró-Sociedade, principal associação conservadora do Ministério Público. Pelo Twitter, Márcio vem criticando as políticas de isolamento e a própria atuação do Ministério Público na pandemia de Covid-19, que chamou de “velhacaria globalista”. O vírus, escreveu, “me parece ser comunista, fruto direto e indireto da insanidade de uma ideologia política assassina”.
Por defender as medidas recomendadas pela OMS, o Ministério Público, para Marcio Luis Chila Freyesleben, transformou-se em um “agente ativista” que “age para impor, a contragosto da Nação, o projeto da Nova Ordem Mundial”.

Na sessão desta terça-feira do Conselho Nacional do Ministério Público, corregedor nacional, Rinaldo Reis, afirmou que as postagens “violam os ideais defendidos pelo Ministério Público, desrespeitam a unidade institucional, a ética profissional e o postulado internacional de repúdio ao racismo”. “Deixa o processado de observar os deveres funcionais de manter publica e particularmente conduta ilibada e de zelar pelo prestígio da Justiça com suas prerrogativas e pela dignidade de suas funções”, disse o corregedor. Ele recomendou a punição de censura a Freyesleben. O processo disciplinar foi pedido pelo Conselho Nacional de Procuradores-Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União (CNPG), que considerou as declarações “descabidas”. São todos esquerdistas, ou dominados pelo pensamento esquerdista, que domina e hegemoniza a vida cultura brasileira nos últimos 70 anos.

O órgão também criticou iniciativas de Freyesleben, como a ação no Supremo para questionar resolução do CNJ que recomendou a soltura de presos em situação vulnerabilidade à doença e a apresentação de habeas corpus para evitar a prisão de manifestantes bolsonaristas. O Conselho Nacional de Procuradores Gerais pediu que o Conselho Nacional do Ministério Público proíba Freyesleben de usar o nome do Ministério Público nas ações da associação.
“Há evidente desacerto do uso indiscriminado da expressão ‘Ministério Público’ por um grupo de pessoas, em caráter privado, para a defesa de pautas de caráter militante e ideológico, totalmente desalinhadas com o conjunto de atribuições confiadas constitucionalmente ao Ministério Público”, diz o pedido. Virou moda agora a censura generalizada promovida pelo esquerdismo que se infiltrou e dominar a área pública no Brasil. E esse esquerdismo não admite qualquer crítica ou contestação à sua atuação.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here