BrasilJustiçaPolíciaTodos

Ex-gerente do Banco do Brasil e dois doleiros viram réus na Lava Jato por organização criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro

José Aparecido Augusto Eiras, ex-gerente do Banco do Brasil, e os doleiros Raul Henrique Srour e Carlos Arturo Mallorquin Junior se tornaram réus em um processo da operação Lava Jato que apura um esquema suspeito de movimentar ilegalmente mais de R$ 9 milhões. Eiras, Mallorquin Junior e Srour foram denunciados em abril. Eles são acusados pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção e gestão fraudulenta de instituição.

De acordo com o Ministério Público Federal, os crimes foram cometidos entre 2011 e 2014. Os atos apontados na denúncia são referentes à 66ª fase da Operação Lava Jato, que investigou operações realizadas por funcionários e ex-funcionários do Banco do Brasil para burlar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Com a fraude, conforme a denúncia, o grupo garantia o fornecimento de dinheiro em espécie a doleiros. Os procuradores afirmam que Eiras, então gerente do Banco do Brasil, aproveitou do cargo para permitir que contas bancárias registradas em nome de empresas de fachada controladas pelos dois doleiros recebessem movimentação ilegal sem que o Coaf fosse notificado.

Para isso, conforme o Ministério Público Federal, o ex-gerente recebeu pelo menos R$ 551,3 mil dos doleiros. Os pagamentos foram registrados por transferências bancárias e anotações dos operadores financeiros identificadas durante as investigações.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here