Agronegócio

FAO eleva para 7,891 milhões número de animais eliminados por peste suína

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) informou que 7.891.125 suínos já foram eliminados em países asiáticos por causa da contaminação com a peste suína africana. O número representa um aumento de 2.357 animais em relação ao levantamento anterior da organização, de 27 de janeiro. Os dados da FAO foram atualizados até a quinta-feira, 6.

Os números da organização divergem das estimativas de mercado por contabilizarem somente os dados divulgados pelos órgãos oficiais de cada país. O aumento se deve, principalmente, ao número de suínos descartados na Indonésia, que passou de 80 mil animais para 81,1 mil animais eliminados pela contaminação com a doença.

Na última semana, novos casos foram verificados no país. Desde que a doença foi confirmada pelo Ministério da Agricultura em 12 dezembro, 857 propriedades foram atingidas em 18 regiões da província de Sumatra Norte. A FAO informou, ainda, que 85 novos focos da doença foram detectados no continente asiático. Destes, a maioria, 68 foram verificados na Coreia do Sul. Com a atualização, a FAO estima 4.737 focos da doença espalhados pela Ásia, ante 4.652 do relatório anterior.

Na Coreia do Sul, o número de casos detectados passou para 166, ante 98 no levantamento anterior. No período 166 animais foram eliminados. O Ministério da Agricultura, Alimentação e Assuntos Rurais do país informou que, desde que a doença foi notificada, em 17 de setembro, três cidades foram atingidas pela epidemia e 450 mil suínos eliminados.

Nas Filipinas, oito novos focos foram verificados nos últimos quinze dias e uma nova província afetada, a de Davao. Mais 1 mil animais foram eliminados em virtude destes novos casos. No país, 137,77 mil animais já foram mortos em decorrência da contaminação com o vírus. No país, desde 25 de julho deste ano, quando o Departamento de Agricultura local confirmou o primeiro caso, 32 focos em doze províncias e em uma cidade foram identificados.

Nos demais países afetados, Vietnã, China, Laos, Coreia do Norte, Timor Leste, Mongólia, Camboja e Mianmar, os números ficaram inalterados em relação ao balanço anterior. O Vietnã continua com a pior condição em termos de número de animais levados ao abate sanitário, com 5,96 milhões. Segundo o Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural do país, a epidemia atingiu 667 distritos em 63 províncias/cidades desde o relato da doença, em 19 de fevereiro.

A China tem a situação mais crítica em termos de extensão, com 169 focos em 32 províncias, incluindo a região administrativa de Hong Kong. De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais do país, desde a identificação da doença, 1,193 milhão de animais foram eliminados.

No Laos, desde a detecção da epidemia, em 20 de junho, 170 focos foram relatados em 18 províncias e 49 mil animais foram eliminados. No Timor Leste, desde que o primeiro caso foi confirmado, em 27 de setembro, 2.610 focos foram identificados e 16 mil animais, sacrificados. Quanto à Mongólia, desde o primeiro caso, detectado em 15 de janeiro, 11 surtos foram notificados em seis províncias, levando à eliminação de 3,115 mil animais, mais de 10% do plantel do país.

No Camboja, de acordo com o Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca do país, a identificação da doença ocorreu em 2 de abril, e 2,85 mil animais foram mortos e cinco províncias foram atingidas. A Coreia do Norte permanece com um foco da doença identificado em 23 de maio, o que levou à eliminação de 77 animais.

Em Mianmar, desde que o primeiro caso foi detectado pelo governo, em 1º de agosto, a epidemia atingiu aldeias da província de Shan State com quatro focos e já levou ao abate sanitário de 163 animais.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here