AgronegócioMeio AmbienteMundoTodos

Governo argentino é informado sobre o surgimento de uma quarta nuvem de gafanhotos

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa), uma agência do governo argentino, foi informada sobre o surgimento de uma quarta nuvem de gafanhotos em Salta, na Argentina. Segundo o órgão, o alerta foi feito por um produtor na sexta-feira (31). “Senasa ainda não a viu. Mas eles nos enviaram um vídeo. Oficialmente já anunciamos que existem quatro nuvens de gafanhotos”, afirmou o engenheiro agrônomo e chefe do Programa Nacional de Gafanhotos do Senasa, Hector Emilio Medina. O governo argentino ainda não tem informações sobre o tamanho dessa quarta nuvem. Uma equipe do Senasa deve ir até o local para verificar a presença das pragas.

Pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) têm apresentado simulações e estimativas da trajetória das nuvens de gafanhotos, que estão se deslocando pelo Paraguai e Argentina desde maio. A instituição já havia informado, na sexta-feira, que quatro nuvens de gafanhotos foram localizadas na América do Sul até o momento. Conforme a UFPel, a primeira nuvem, já acompanhada pela pesquisa, foi localizada em maio, vinda do Paraguai para a Argentina e foi praticamente exterminada na última semana em Federación, divisa da Argentina com o Uruguai.

O município de Federación fica a aproximadamente 90 km, em linha reta, de Barra do Quaraí, cidade da Fronteira do Rio Grande do Sul. Segundo o governo argentino, a aplicação de inseticida eliminou 80% da nuvem de gafanhotos. A segunda nuvem de gafanhotos foi localizada no Paraguai, em 16 de julho, na província del Chaco, e se encontra atualmente em El Pintado. Simulações para esta nuvem foram apresentadas pelos pesquisadores no dia 22 de julho, quando a nuvem estava em General Güemes. Mas, com a chegada do frio, a nuvem se manteve sem grandes deslocamentos desde então. A terceira nuvem foi localizada pelo governo da Argentina em 21 de julho e se encontra em Ingeniero Juárez, província de Formosa, na Argentina.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here