MundoTecnologiaTodos

Hackers russos estão atacando as candidaturas principais nos Estados Unidos

A unidade da inteligência militar russa que atacou o Comitê Nacional do Partido Democrata em 2016 está de volta, com uma série de novos ataques mais furtivos direcionados a consultores, centros de pesquisa e funcionários das campanhas de ambos os candidatos, o democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump.

O alerta foi enviado pela Microsoft, em um relatório público, bem mais detalhado que os já divulgados pelas agências de inteligência do governo dos Estados Unidos. Em denúncia publicada ontem (9), Brian Murphy, ex-chefe do braço de inteligência do Departamento de Segurança Doméstica (DHS), revelou que o secretário interino Chad Wolf lhe deu ordem para parar de produzir relatórios sobre interferência russa, e concentrar-se em Irã e China.

A Microsoft investigou que hackers chineses e iranianos têm sido ativos, mas não da forma sugerida pelo presidente Donald Trump e seus assessores. Hackers chineses têm atacado as contas de e-mail particulares de funcionários da campanha de Joe Biden, e também de membros do Atlantic Council.

A investigação da Microsoft conclui que os hackers ligados à GRU russa, que supervisionaram o ataque “hackear e vazar” aos e-mails da campanha de Hillary Clinton em 2016, estão tomando novas medidas para esconder seus rastros. Estão roteando parte dos ataques via Tor, serviço que ajuda a esconder a localização e a identidade dos hackers. A Microsoft não encontrou provas de que os hacker russos tenham conseguido roubar alguma coisa, ou as motivações deles. A empresa acrescentou que esse papel é das agências de inteligência do governo americano.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here