MundoSaúde e MedicinaTodos

Índia terá 100 milhões de doses de vacina da AstraZeneca em dezembro

O Serum Institute da Índia acelera a produção da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca com o objetivo de alcançar 100 milhões de doses até dezembro, quando poderia começar a campanha de vacinação no país. Se os dados do ensaio de estágio final mostrarem que a candidata da AstraZeneca oferece proteção eficaz contra o coronavírus, o Serum Institute – maior fabricante global de vacinas em volume e que tem parceria para produzir pelo menos um bilhão de doses – pode obter autorização emergencial do governo de Nova Déli até dezembro,
disse Adar Poonawalla, diretor-presidente da empresa de controle familiar com sede na cidade de Pune, no oeste do país.

Esse volume inicial será destinado à Índia, disse Poonawalla em entrevista na quinta-feira. A aprovação total no início do próximo ano permitirá a distribuição em uma base 50-50 entre o país do sul da Ásia e a Covax, iniciativa apoiada pela Organização Mundial da Saúde que está comprando vacinas para nações pobres.

O Serum, que se associou a cinco desenvolvedores, fabricou 40 milhões de doses da vacina da AstraZeneca nos últimos dois meses e pretende iniciar a fabricação da candidata da Novavax em breve. “Estávamos um pouco preocupados se seria um grande risco”, disse Poonawalla, de 39 anos. Mas as vacinas da AstraZeneca e da Novavax “parecem muito boas”.A pressa reforça a confiança de Poonawalla em uma das principais candidatas na corrida das vacinas. O CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, disse que a empresa se prepara para a
possibilidade de vacinações em grande escala já em dezembro e, assim que o Reino Unido conceder a licença emergencial, o Serum enviará os mesmos dados às contrapartes indianas.

As farmacêuticas começam a obter dados que mostrarão como suas potenciais vacinas funcionam, mas ainda existem muitos obstáculos nos estágios finais. A Astra e a Universidade de Oxford, parceira no projeto, ainda precisam obter resultados dos testes. E, mesmo que as vacinas se mostrem eficazes e recebam aprovação dos reguladores, há dúvidas sobre a facilidade e a rapidez com que podem ser distribuídas.

Poonawalla reiterou que o prazo para vacinar o mundo inteiro é 2024 e de dois anos para ver uma redução real dos casos, devido à acessibilidade e aos obstáculos de fabricação. Depois de conversas com o governo, Poonawalla disse estar confiante em seus planos para fornecer as vacinas iniciais a trabalhadores vulneráveis e da linha de frente. O desafio será distribuir a vacina para a população de 1,3 bilhão de pessoas da Índia, especialmente no interior, onde campanhas anteriores de vacinação tiveram dificuldades devido a redes de saúde escassas. Ele disse que a AstraZeneca tem uma vantagem significativa sobre a vacina da Pfizer e da BioNTech, que nesta semana dominou as manchetes depois de indicar mais de 90% de eficácia ao impedir infecções por Covid-19.

Uma cara infraestrutura da cadeia de frio é necessária para transportar e armazenar a vacina a -70 graus Celsius. Poonawalla disse que seria “simplesmente impossível” para a maior parte do mundo usá-la em grande escala, em comparação com vacinas que sua empresa produzirá e que podem ser armazenadas em temperaturas de geladeira. “Não acho que nem 90% dos países conseguirão usá-la, porque você simplesmente não tem freezers em todos os lugares”, disse sobre a vacina da Pfizer: “Em uma pandemia, lembre-se sempre que a simplicidade é chave”.

Para a Índia, que enfrenta o segundo maior surto de Covid do mundo, as negociações com o Serum Institute sobre o preço da vacina serão fundamentais para os esforços do país no combate à pandemia. O governo indiano reservou cerca de 500 bilhões de rupias (US$ 6,7 bilhões) para vacinas. No entanto, em setembro, Poonawalla argumentou que a Índia precisaria de 800 bilhões de rupias. Poonawalla não quis entrar em
detalhes.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here