EconomiaMundoTodos

Maioria de executivos acha que Covid mudou empresas para sempre

Uma pesquisa divulgada na quarta-feira pelo IBM Institute of Business Value identificou uma “mudança de cultura” em corporações ao redor do mundo e concluiu que “executivos devem aceitar que mudanças na estratégia, gestão, operações e prioridades orçamentárias induzidas pela pandemia vieram para ficar”. Um grande benefício desta mudança de cultura: dois terços dos entrevistados disseram que foram capazes de concluir iniciativas que encontravam resistência no mundo corporativo pré-Covid.

Segundo a pesquisa com quase 3,5 mil executivos em 20 países, o fluxo de caixa e a gestão de custos e liquidez estão entre as maiores prioridades até 2022. Cerca de 60% disseram que estão acelerando a transformação digital de suas organizações. E cerca de 75% planejam desenvolver recursos de TI mais sólidos. A transformação digital deve aumentar o número real de empregos, “mas as habilidades necessárias para esses empregos serão muito diferentes”, disse Jesús Mantas, sócio-gerente sênior da IBM Services.

Isso significa que, potencialmente, milhões de trabalhadores que não podem fazer a transição para o novo mundo corporativo podem ficar para trás. Em contraste com a prática recente de entrega just-in-time, 40% dos executivos destacaram a necessidade de capacidade extra em suas cadeias de suprimentos. Apenas cerca da metade das empresas terá como foco novos mercados para aumentar sua base de clientes, disseram os executivos. E 84% afirmaram que a gestão da experiência do cliente será prioridade em relação a apenas 35% há dois anos.

A pesquisa da IBM – que também se baseou em outras pesquisas que incluíram funcionários – revelou pelo menos um ponto perturbador: uma grande lacuna entre “empregadores que superestimam significativamente a eficácia de seus esforços de suporte e treinamento” e como os funcionários se sentem sobre essas medidas. No geral, o estudo da IBM chegou ao que chamou de “conclusão esmagadora: a realidade mudou radicalmente para as empresas pós-Covid 19”. (Bloomberg)

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here