EsportesGenteTodos

Max Verstappen exalta parceria entre Honda e Red Bull e diz que está muito próximo da Mercedes

Em seu primeiro ano com o motor da Honda, a Red Bull alcançou resultados expressivos na temporada de 2019 da Fórmula 1 a ponto de empolgar o seu veloz piloto holandês Max Verstappen.

O piloto principal da equipe austríaca está convencido de que, em termos de potência, o motor de seu carro está perto de alcançar o desempenho da Mercedes, hexacampeã do Mundial de Construtores.

“Estamos muito perto da Mercedes”, disse Verstappen. “A Honda tem trabalhado com perfeição e a melhoria que fizemos nas duas últimas especificações do motor foi grande”.

A parceria entre Honda e Red Bull se mostrou bem-sucedida ao passo que Verstappen alcançou em 2019 suas duas primeiras poles na carreira e venceu na Áustria, Alemanha e no Brasil. O bom desempenho ao longo do ano o fez terminar em terceiro no Mundial de Pilotos, sua melhor colocação desde que começou a pilotar na Fórmula 1.

“O que eu acho muito positivo é que tivemos uma meta ao longo do ano e sempre estivemos no mesmo nível ou acima da meta, o que nunca tinha acontecido antes”, avaliou Verstappen.

“A Honda sempre foi muito honesta quanto ao que receberíamos”, completou. O retorno da Honda à Fórmula 1 com a McLaren em 2015 foi problemático, com a aliança sendo desfeita ao final de 2017, após três anos improdutivos.

Insatisfeita com a Renault, a Red Bull resolveu apostar na empresa japonesa depois de ver a Toro Rosso executar as unidades de potência da Honda em 2018. “A confiabilidade durante todo o ano, nunca abandonamos uma corrida por problema da Honda, então acho isso muito positivo”, afirmou Verstappen, que se recordou das falhas no motor da Renault em 2018 para exaltar o trabalho da Honda.

“Perdemos muitos pontos por causa de problemas de confiabilidade no passado, que eram tanto de carro quanto de motor e acho que melhoramos os dois lados”, analisou.

A Toro Rosso também fez uma boa temporada em 2019 com o motor da Honda, de modo que o russo Daniil Kvyat e o francês Pierre Gasly, ex-parceiro de Verstappen, obtiveram pódios neste ano.

Gasly se destacou mais, uma vez que teve um desempenho marcante no GP do Brasil, em que terminou em segundo depois de deixar o campeão Lewis Hamilton para trás. Ele fechou o Mundial de Pilotos em sétimo.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here