MundoPolíciaTodos

Ministério Público da Bolívia expede mandado de prisão contra o indio trotskista cocaleiro Evo Morales

O Ministério Público da Bolívia emitiu nesta quarta-feira (18) mandado de prisão contra o ex-presidente, o ditador indio trotskista cocaleiro Evo Morales, pelos crimes de terrorismo e rebelião. Evo Morales, que no dia 10 de novembro fugiu para o México, após renunciar ao mandato presidencial, está refugiado na Argentina desde a última quinta-feira (12). O mandado de prisão foi emitido pelo Ministério Público Especial Anticorrupção e poderá ser executado a qualquer momento, de acordo com informações da Agência Boliviana de Informação (ABI).

O líder cocaleiro Faustino Yucra também é alvo da ação, pelos mesmos crimes. No dia 22 de novembro, Arturo Murillo, atual ministro de Governo da Bolívia, apresentou uma denúncia ao Ministério Público após o vazamento de um vídeo em que Morales incita a violência e dá ordens a Faustino Yucra para que os bloqueios nas estradas persistissem em todo o país, impedindo a distribuição de alimentos e combustíveis.

No material apresentado por Murillo, o ex-presidente Evo Morales fala em derrotar o “golpe de Estado racista e fascista”. No áudio, ouve-se esse apelo: “Irmãos, não deixem que entre comida nas cidades, vamos fazer um cerco às cidades (…) Agora estamos vivendo na ditadura, esta é a ditadura, alguns não entendem o que é a ditadura, mas agora as pessoas vão ver o que é viver a ditadura com o golpe de Estado. Estou pensando, e quero que saibam que, se a Assembleia Legislativa amanhã ou depois rejeitar a minha renúncia, tentarei voltar, irmão. Mesmo que me prendam, lutaremos muito contra os racistas e fascistas”.

O chefe da Divisão de Corrupção Pública da Força Especial de Combate ao Crime, Luís Fernando Guarachi, informa que o órgão tem coletado evidências e elementos que podem contribuir para a investigação de tais fatos. Ele diz ainda que uma propriedade de Evo Morales foi objeto de busca e apreensão e que um computador pessoal e documentos foram coletados para perícia.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here