EconomiaMundoPetróleoTodos

Preço do petróleo mergulha abaixo de zero na primeira vez na história

O preço do petróleo futuro caiu abaixo de zero pela primeira vez, já que a turbulência econômica causada pela crise do virus da China deixou os operadores desesperados para evitar a entrega de óleo bruto. Em um pregão sem precedentes, o preço dos contratos de maio apagou todo o valor e foi para o terreno negativo, ao quebrar todos os patamares do petróleo desde 1946.

O movimento extremo mostrou quão excessivamente abastecido o mercado de petróleo dos Estados Unidos se tornou, com a paralisação da atividade industrial e econômica, devido à rápida disseminação do coronavírus. O acordo sem precedentes fechado entre a Opep e membros aliados, há uma semana, com o objetivo de conter a oferta, está se mostrando insuficiente diante do colapso de um terço da demanda global.

Na segunda-feira, uma questão técnica exacerbou a queda dos preços, já que os operadores fugiram do contrato futuro de maio antes de seu vencimento amanhã. O contrato do mês seguinte caiu 12%, para US$ 22,05 por barril, levando o spread entre os dois meses a mais de US$ 20,00.

“Há pouco para impedir que o mercado físico sofra mais desvantagens no curto prazo”, disse Michael Tran, diretor gerente de estratégia global de energia da RBC Capital Markets. “Os refinadores estão rejeitando barris em um ritmo histórico e, com os níveis de armazenamento dos Estados Unidos subindo rapidamente, as forças do mercado infligirão ainda mais dor até atingirmos o fundo do poço, ou a solução para o coronavirus, o que ocorrer primeiro, mas parece que é o primeiro”.

Desde o início do ano, os preços do petróleo acumulam queda com os impactos do coronavírus e uma quebra no acordo original da OPEP+. Há sinais de fraqueza em toda parte. Compradores no Texas estão oferecendo US$ 2,00 por barril para alguns fluxos de petróleo, aumentando a possibilidade de que os produtores em breve precisem pagar para que o petróleo seja retirado. Na Ásia, os banqueiros estão cada vez mais relutantes em dar crédito aos operadores de commodities, à medida que os credores ficam cada vez mais temerosos com o risco de um default catastrófico.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here