MundoPolíticaTodos

The New York Post revela e-mails do filho de Joe Biden mostrando o envolvimento dos dois em trampas internacionais

A matéria que você vai ler a seguir foi publicada pelo jornal americano The New York Post e é um tremendo furo, revelando uma tremenda conspiração internacional movida pelo então vice-presidente Joe Biden e seu filho drogado confesso Hunter Biden. A matéria foi escandalosamente censurada pelo Twitter, cujo proprietário é também um esquerdista. Devido ao gigantesco alarido que se levantou contra esta medida, o Twitter levantou nesta sexta-feira a censura contra a matéria do jornal The New York Post. É impressionante como essa família Biden lidou com as questões pessoais e nacionais durante o governo do islâmico Barack Obama. Leia a seguir a íntegra da matéria que revela e-mails do drogado Hunter Biden mostrando seu movimentos junto à empresa de gás da Ucrânia para a qual ele trabalhava como lobista.

“Hunter Biden apresentou seu pai, o então vice-presidente Joe Biden, a um alto executivo de uma empresa de energia ucraniana menos de um ano antes de Joe Biden pressionar funcionários do governo ucraniano pela demissão de um promotor que investigava a empresa, conforme e-mails obtidos pelo jornal The New York Post. A reunião nunca antes revelada é mencionada em uma mensagem de agradecimento que Vadym Pozharskyi, um consultor do conselho do Burisma, enviou a Hunter Biden em 17 de abril de 2015, cerca de um ano depois de Hunter ingressar no conselho do Burisma com um salário de até 50 mil dólares por mês.

“Caro Hunter, obrigado por me convidar para DC e dar a oportunidade de conhecer seu pai e passar [sic] algum tempo juntos. É uma realidade [sic] uma honra e um prazer ”, diz o e-mail. Um e-mail anterior, de maio de 2014, também mostra Pozharskyi, executivo número 3 do Burisma, pedindo a Hunter “conselhos sobre como você pode usar sua influência” em nome da empresa.

A correspondência – que contraria a afirmação de Joe Biden de que ele “nunca falou com meu filho sobre seus negócios no exterior” – está contida em um enorme tesouro de dados recuperados de um laptop. O computador foi deixado em uma oficina em Delaware, Estado de Biden, em abril de 2019, conforme o proprietário da loja. Outro material extraído do computador inclui um vídeo obsceno de 12 minutos que mostra Hunter Biden, que admitiu ser drogado, fumando crack enquanto praticava um ato sexual com uma mulher não identificada, bem como inúmeras outras imagens sexualmente explícitas.

O cliente que trouxe o MacBook Pro danificado pela água para conserto nunca pagou pelo serviço ou recuperou o disco rígido no qual seu conteúdo estava armazenado, de acordo com o dono da loja, que disse ter tentado várias vezes entrar em contato com o cliente. O dono da loja não conseguiu identificar positivamente o cliente como Hunter Biden, mas disse que o laptop trazia um adesivo da Fundação Beau Biden, em homenagem ao falecido irmão de Hunter e ex-procurador-geral de Delaware.

Fotos de uma intimação federal de Delaware dada ao The New York Post mostram que o computador e o disco rígido foram apreendidos pelo FBI em dezembro, depois que o dono da loja disse que alertou os federais sobre sua existência. Mas, antes de entregar o equipamento, diz o dono da loja, ele fez uma cópia do disco rígido e depois o deu ao advogado do ex-prefeito Rudy Giuliani, Robert Costello. Steve Bannon, ex-conselheiro do presidente Trump, falou ao The New York Post sobre a existência do disco rígido no final de setembro e Giuliani forneceu ao The New York Post uma cópia do mesmo no domingo.

Menos de oito meses depois de Pozharskyi agradecer a Hunter Biden pela apresentação a seu pai, o então vice-presidente Joe Biden, pressionado, admitiu que tinha exercido pressão sobre o presidente ucraniano Petro Poroshenko e o primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk para que se livrassem do procurador-geral Viktor Shokin, ameaçando reter uma garantia de empréstimo do governo americano de US$ 1 bilhão, durante uma viagem em dezembro de 2015 a Kiev. “Eu olhei para eles e disse, estou saindo em seis horas. Se o promotor não for demitido, você não receberá o dinheiro”, Joe Biden se gabou de maneira infame ao Conselho de Relações Exteriores em 2018: “Bem, filho da puta. Ele foi demitido”.

Shokin disse que no momento de sua demissão, em março de 2016, ele fez “planos específicos” para investigar Burisma que “incluíam interrogatórios e outros procedimentos de investigação de crime em todos os membros do conselho executivo, incluindo Hunter Biden”. Joe Biden insistiu que os Estados Unidos queriam que Shokin fosse removido por causa de preocupações com corrupção, compartilhadas pela União Européia.

Enquanto isso, um e-mail datado de 12 de maio de 2014 – logo após Hunter Biden ingressar no conselho da Burisma – mostra Pozharskyi tentando fazer com que ele use sua influência política para ajudar a empresa. A mensagem tinha o assunto “questão urgente” e também foi enviada ao parceiro de negócios de Hunter Biden, Devon Archer, que também estava no conselho da Burisma na época.

Pozharskyi disse que “os representantes das novas autoridades no poder tendem a abordar N. Z. de forma não oficial, de forma bastante agressiva, com o objetivo de obter dinheiro dele”. N.Z. não é identificado no e-mail, mas parece ser uma referência ao fundador do Burisma, Mykola Zlochevsky, cujo primeiro nome é uma versão ucraniana de “Nicolau”.

Quando a suposta reforma falhou, “eles prosseguiram com ações concretas” na forma de “um ou mais procedimentos pré-julgamento”, escreveu Pozharskyi. “Precisamos urgentemente de seu conselho sobre como você pode usar sua influência para transmitir uma mensagem / sinal, etc. para interromper o que consideramos ações com motivação política”, acrescentou. Hunter Biden respondeu dizendo que estava com Archer em Doha, Qatar, e pediu mais informações sobre “as acusações formais (se houver) feitas contra o Burisma”. “Quem está por trás desses ataques à empresa? Quem no atual governo interino poderia pôr fim a tais ataques?” – ele adicionou.

A troca ocorreu no mesmo dia em que a Burisma anunciou que havia ampliado seu conselho de administração com a inclusão de Hunter Biden, que foi encarregado de sua “unidade jurídica e dará suporte à empresa entre os organismos internacionais”, segundo nota à imprensa. Desde então foi apagado do site da Burisma. Hunter Biden entrou para o conselho em abril de 2014, de acordo com vários relatórios.

Seu advogado disse no ano passado que Hunter “não era um membro da equipe de gestão”, acrescentando: “Em nenhum momento Hunter foi responsável pelos assuntos jurídicos da empresa”. Cerca de quatro meses após a correspondência de Hunter Biden com Pozharskyi, Archer encaminhou a Hunter Biden uma cadeia de e-mail com o assunto “impacto do aumento de impostos na produção da Burisma”, que incluía Pozharskyi dizendo que o gabinete ucraniano havia apresentado uma nova legislação tributária ao parlamento do país. “Se promulgada, esta lei mataria todo o setor privado de produção de gás pela raiz”, escreveu Pozharskyi.

No e-mail de 24 de setembro de 2014, Pozharskyi também disse que “iria compartilhar esta informação com a embaixada dos Estados Unidos aqui em Kiev, bem como com o escritório do Sr. Amos Hochstein nos Estados Unidos”. Na época, Hochstein era o recém-nomeado enviado especial do Departamento de Estado e coordenador para assuntos internacionais de energia.

Em dezembro de 2017, o Naftogaz Group, empresa estatal de energia da Ucrânia, anunciou que Hochstein havia ingressado na empresa como diretor independente, mas na segunda-feira ele anunciou sua renúncia. “A empresa foi forçada a gastar uma quantidade infinita de tempo no combate à pressão política e aos esforços dos oligarcas para enriquecer por meio de transações questionáveis”, escreveu Hochstein em um artigo publicado pelo Kyiv Post.

Além de negar que falou com Hunter Biden sobre suas negociações comerciais no exterior, Joe Biden negou repetidamente qualquer conflito de interesse ou irregularidade cometido por qualquer um deles envolvendo a Burisma. Em fevereiro passado, ele ficou irritado durante uma aparição no programa “Today” da NBC, quando a co-apresentadora Savannah Guthrie questionou se era “errado Hunter assumir essa posição, sabendo que era realmente porque aquela empresa queria ter acesso a você”. “Bem, isso não é verdade. Você está dizendo coisas que não sabe do que está falando ”, respondeu o velho Joe Biden.

Em dezembro passado, Joe Biden também atacou durante um evento democrata na prefeitura de Iowa, onde um homem o acusou de enviar Hunter à Ucrânia “para conseguir um emprego e trabalhar para uma empresa de gás, ele não tinha experiência com gás ou nada, em para obter acesso a. . . o presidente”. “Você é um mentiroso, cara. Isso não é verdade e ninguém nunca disse isso”, retrucou Joe Biden com raiva. Então Joe Biden continuou a repreender o homem enquanto ele se adiantava, chamava o homem de “gordo” e o desafiava a “fazer flexões juntos, cara”.

O FBI encaminhou as questões sobre a apreensão do laptop e do disco rígido ao Gabinete do Procurador-Geral de Delaware, onde um porta-voz disse: “Meu escritório não pode confirmar nem negar a existência de uma investigação”. O advogado de Hunter Biden se recusou a comentar os detalhes, mas em vez disso atacou Giuliani. “Ele tem defendido teorias de conspiração amplamente desacreditadas sobre a família Biden, contando abertamente com atores ligados à inteligência russa”, disse o advogado George R. Mesires sobre Giuliani.
Pozharskyi e a campanha de Joe Biden não retornaram pedidos de comentários. Hochstein não foi encontrado”.

Esse Joe Biden é mesmo uma figura intragável, um sujeito petulante e arrogante, que teve o peito de fazer ameaças à figura de Ben Gurion, dizendo que, se Israel não se sujeitasse aos interesses dos árabes, teria bloqueado os recursos dos Estados Unidos. Ouviu poucas e boas de Ben Gurion. Irritadinho, retiro-se da sala de sessões do Congresso americano onde se realizava a audiência do Comitê de Relações Exteriores. É um representante do Partido Democratas que sempre agiu contra Israel e os judeus.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here