CiênciaMundoSaúde e MedicinaTodos

Virologista chinesa foge para os Estados Unidos e diz que sabe como os chineses esconderam o coronavirus

Horas antes de embarcar em um vôo da Cathay Pacific, em 28 de abril, para os Estados Unidos, a respeitada médica Li-Meng Yan, especialista em virologia e imunologia na Escola de Saúde Pública de Hong Kong, havia planejado sua fuga. Ela tinha o passaporte e estava prestes a deixar todos os seus entes queridos para trás. Se os policiais a pegassem, ela sabia que poderia ser presa ou, pior, “desaparecer”. Yan disse à Fox News em uma entrevista exclusiva que acredita que o governo chinês sabia sobre o novo coronavírus muito antes de ser lançado.

Ela diz que seus supervisores, reconhecidos como alguns dos melhores especialistas na área, também ignoraram a pesquisa que estavam fazendo no início da pandemia que ela acredita que poderia ter salvado dezenas de vidas. Ela diz que eles tinham a obrigação de contar ao mundo o que estava acontecendo e não o fizeram, dado o status do laboratório como uma referência para a Organização Mundial da Saúde, especializada em vírus e pandemias da gripe.

Yan, agora escondida em algum lugar nos Estados Unidos, afirma que o governo do país em que ela nasceu está tentando destruir sua reputação e acusa o governo chinês de montar um ataque contra ela nas mídias sociais, na esperança de mantê-la quieta. Yan acredita que sua vida está em perigo. Ela teme não poder voltar para casa e vive com a dura verdade de que provavelmente nunca mais verá seus amigos ou familiares na China. Ainda assim, ela diz, o risco vale a pena. “A razão pela qual vim para os Estados Unidos é porque entrego a mensagem da verdade de Covid-19”, disse ele à Fox News de um local não revelado.

Ela acrescentou que, se tentasse contar sua história na China, seria “desaparecida e morta”. A história de Yan deixa uma afirmação extraordinária sobre encobrimentos nos mais altos níveis do governo e aparentemente expõe o presidente Xi Jinping e a compulsão obsessiva de seu Partido Comunista em controlar a narrativa do coronavírus: o que a China sabia, quando sabia e que informação foi editada.

Os problemas da virologista começaram quando ela alertou o governo sobre a letalidade e o perigo do coronavírus, muito antes de a China reconhecer o problema: “Eu sei como eles esconderam isso”. Lá, ela foi silenciada e pressionada pelo regime. De fato, ela diz que em 31 de dezembro, um colega a alertou que o vírus se espalhou de pessoa para pessoa, em uma data muito anterior da China e da OMS assumirem essa realidade.

Em 9 de janeiro de 2020, a OMS emitiu uma declaração negando esse tipo de transmissão. De acordo com Yan, todas as informações que apontam que se tratava de um vírus altamente perigoso são conhecidas não apenas pelo governo chinês, mas também pela comunista OMS, um puxadinho da China, muito antes da emissão de alertas internacionais.

As afirmações de Li-Meng Yan levaram à remoção de seu site da Universidade de Hong Kong, onde ela trabalhava, e a uma declaração dizendo que ela não era mais membro do centro. Apesar de tudo isso, a cientista garantiu que continuará relatando os resultados de sua pesquisa, o que provaria que a China não contou a verdade sobre o Covid-19.

Compartilhe nas redes sociais:

Comment here